As Roupas que Não Queremos Mais!

Hey sereias, não dá mais pra não pensar em consumo conscienteCoracao13 Coracao12

Esse final de semana foi de fazer aquela faxina, e organizar as roupas.

No meio disso me peguei nessas dúvidas, entre outras:

  • Faz tanto tempo que não uso essa roupa. Será que coloco pra doação, ou guardo pra tentar usar depois?
  • Essa roupa já tá tão velhinha. Será que eu doo ou reutilizo? Ou descarto?
  • Ai meu Deus! Essa roupa é novinha, quase não usei! Será que dou uma segunda chance pra ela, ou me desfaço?
  •  Tem umas coisas até legais aqui. Mas esse negócio de brechó…Vai que eu chego lá e a pessoa não quer nem olhar pra roupa :/

Estrela3CONSUMO CONSCIENTE

Se tem um assunto que vem me fazendo repensar há um certo tempo é a nossa produção de resíduos. Essa reflexão não envolve apenas o momento de jogar algo fora, mas toda a sequência de eventos que produz o lixo, nosso lixo!

O consumismo é a primeira grande causa da quantidade de lixo. Muito se fala em reciclar e reutilizar, e muito pouco se fala em REDUZIR.

Acredito que na parte de reduzir, eu já consegui muita coisa. Tenho poucas roupas, calçados e bolsas e normalmente só compro algo quando estou precisando Estrela3

Nem sempre foi assim, mas assisti alguns documentários que ajudaram a mudar minha visão sobre o consumismo. Em outro momento certamente falarei mais desse assunto aqui, mas o documentário que posso dizer que mudou minha vida foi Century of Self, de Adam Curtis (2002). Century of Self trata da utilização das ideias de Freud na publicidade e propaganda, e nos faz entender como chegamos à sociedade de consumo atual. Imperdível!

Voltando à faxina Emoji11

Estrela3COMO COMEÇAR?

Acabei encontrando um diagrama que me ajudou a responder os questionamentos sobre quais roupas guardar e o que fazer com as demais. Fiz umas poucas adaptações nele, e ficou assim:

Guarda-roupa sustentável Adaptado de www.vivadecora.com.br

Na verdade só descarto peças íntimas mesmo. As que não servem para ser utilizadas por outros viram paninhos de limpeza, às vezes bastante estilosos, e outras vezes nem tanto, mas não dá pra ligar pra isso.

Pessoalmente sempre tive o hábito de doar roupas para as pessoas do interior do estado, pois como minha família veio de um distrito muito pobre, numa época que os pobres não tinham quase roupa para vestir, havia uma ligação afetiva com essa realidade. Ainda hoje as roupas doadas pela minha família vão para lá. Às vezes, nós (moradores de capitais e regiões metropolitanas) não temos noção da realidade em alguns locais não tão distante de nós. Para muitas pessoas, essas doações fazem diferença!

Estrela3O QUE FAZER COM AS ROUPAS QUE NÃO QUEREMOS MAIS?

Tem várias instituições que recebem doações de roupas, inclusive de cuidado animal. Algumas ONGs recolhem roupas e realizam bazares para ajudar nos custos de manutenção dos animais.

Desde sempre achei que a melhor opção para roupas que ainda podem ser usadas por outros era a doação, mas li um post do http://www.insectashoes.com/ que me fez pensar.

Segundo o blog, a melhor opção para ” peças em excelente estado, praticamente sem uso e de boa qualidade” é a venda, seja de forma direta ao consumidor, ou para um brechó, pois assim incentivamos o hábito de comprar roupas usadas. Devem ser doadas as roupas servem para uso, mas não estão aptas para venda. Pensamento interessante né?!

No http://www.roupalivre.com.br/mapa-da-mina/ encontramos um mapa colaborativo de locais que aceitam doações e brechós.

Em Fortaleza há um brechó cadastrado, o Brechó Arara , localizado na Av. Coronel Ferraz, 80 – Centro. O bom é que o brechó fica no Salão das Ilusões, mesmo endereço do El Laricon. Dá pra movimentar o consumo consciente, e se der uma fome, tem comidinhas veganas deliciosas Emoji35

Doe, venda, reutilize, consuma conscientemente. O planeta não comporta o lixo que estamos produzindo, nem nosso nível de consumo.

Blog inspirador sobre o tema: http://www.umanosemlixo.com/

Vídeo curtinho e super ácido que nos faz pensar:

 

Published by

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *